a culpa

No café da hora. Estou numa espécie de vitrine e vejo a gente normal passando, sendo normal de um lado para o outro, de lá pra cá e vice-versa. Não me sinto o estranho que tanto gosto de escrever que sou. Não sou estranho. E também não tenho referência moral para desenhar uma régua de caracteres e depois usá-la pra ficar cagando regra nas cabeças alheias. Nem acho que ser normal é algo ruim. É simplesmente ser, não é? Então isso é bom. Mas normal eu não sou, porque não consigo simplesmente ser, e continuo aqui, nesta vitrine de exposições zoológicas, sendo o contrário de um simplesmente ser. Vejo a todos como os homens e mulheres normais que realmente são e de como, no fim, somos todos iguais, normais ou não. Pois estamos enjaulados, cativos. Manequins de vitrine. Eu sou o manequim apático que escreve na vitrine do café da hora. Grande coisa.

A culpa é minha.

- Cato Ribeiro





postado em por admin em prosa deixe um comentário

adicione comentário

www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top