admin

não quero você




postado em por admin em prosa Comentários desativados

fuja

eu sou o cara da guitarra invisível. eu sou o cara que fica com banca de gênio no bar. eu sou o cara que não para de comer e, mesmo assim, nunca engorda. eu sou o cara que visualiza a mensagem e responde na hora. eu sou o cara que lava o carro todas as semanas. eu sou o cara que ouve todos os seus problemas e finge que não quer te comer. eu sou o cara que vai falar exatamente o que você gosta de ouvir. eu sou o cara que vai mostrar a qualquer momento que você não é a única a conhecer as manhas desse troço chamado “agressividade passiva” . eu sou o cara cheio de paciência, mas apenas para as minhas coisas. eu sou o cara do textão.

fuja.

 

J.Castro

 

 

postado em por admin em prosa Comentários desativados

desconheci

não te conheço. já te conheci? pois desconheci. sinto que já te conheci, quase como em outra vida, mas há um mês. me perdoe se pareço desencaixado. se passo a impressão errada, como um funcionário de gráfica digital apodrecendo de ressaca. se pareço não te conhecer, não é por maldade. é que talvez eu não te conheça mesmo.

nos desconhecimentos
de toda pessoa
que já passou
pela minha vida,
adianto um estado
de esquecimento
inevitável.

pois não importa
de onde venha
o esquecimento,
ele vindo de algum lugar,
esquecimento será.

não reconheço memória. não reconheço sua simplória amizade. se eu quisesse fazer amizade com memória, trabalharia num museu. pareço não te conhecer? talvez eu não conheça mesmo. desconheci. 


esquecimento foi.

J.Castro

postado em por admin em poesia, prosa Comentários desativados

organicamente necessário

Trecho editado do documentário Ervilha da Fantasia (1985), realizado em 1985 por Werner Schumann com edição de Eduardo Pioli Alberti e Produção Executiva de Altenir Silva, Willy Schumann, Werner Schumann.

Para ver a “versão nua” (sem música), aqui: https://youtu.be/zkl57-hC3ko

postado em por admin em os videos, poesia Comentários desativados

Adeus, Ferreira Gullar

Morre o poeta Ferreira Gullar.
São Luís, 10.09.1930 – Rio de Janeiro, 4.12.2016
Punho eterno. Caneta cósmica.
A poesia eterniza o poeta.

postado em por admin em poesia Comentários desativados

julgue o jogador

postado em por admin em prosa Comentários desativados

4 poemas de edson farrusco

postado em por admin em poesia Comentários desativados

6 frases que dizem: sou mais eu.

equatio

nasmate

preguica

serenos

serio

demente1

postado em por admin em prosa Comentários desativados
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ... 65 66   Next »
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top