admin

PEDRA VELHA

atenas

bebagua

bloco colunas

cores

costas

rebelde

traseira

PEDRA VELHA

sibilo entre as pedras velhas
num passeio com brisas jovens
(diminutos estouros
de ventos que mal nasceram)
por entre os mármores
que não devem ser tocados.

“senhor, senhor
sua filha está jogando pedras
e não é permitido
jogar pedras
aqui”

não é permitido
encostar nas pedras
da cidade alta
das pedras velhas?
é isso mesmo?

talvez seja por isso
que ninguém aqui
toque o meu coração.

no lento desintegrar
das tintas existenciais
sinto-me em conexão
com esta humanidade
de pedras e pigmentos
que nunca mais
serão.

eu me identifico
com essas pedras
tão velhas, tadinhas
muito além de uma eufemística
melhor idade.

eu me identifico
com esses mármores intocáveis:
alvos tão proibidos.

eu me identifico
com todas essas relíquias pétreas
essas pedras na melhor idade
pois eu vivo também
neste lento desaparecer.

só não consigo
encaixar a tudo
num eufemismo
que me faça ser mais
do que realmente sou.

sou menos.

e eu acho que uma pessoa
que impeça uma criança de brincar
num lugar como a cidade alta das pedras velhas
terá um lugar reservado no inferno
com toda a certeza do universo.

e o inferno de um estraga-prazer como aquele
só pode ser um lugar que seja só pedra:
as mesmas pedras intocáveis
que ele um dia protegeu
com tanto esmero babaca.

um cuidado que o colocará
num inferno de pedras imexíveis
como ele.

um neologismo
nem tão novo assim
para mexer
com nossas compreensões.

é impressionante
o apego que certas pessoas
têm pelas pedras.

e pelas compreensões também.

mas sei também
que algumas pedras velhas
realmente merecem
o meu apego.

muito mais do que certas pessoas.

sou o exemplo de gente
que olha a tudo
ou pelo ponto de vista da pedra
ou pelo ponto de vista da estrela
pois comigo é assim:
oitotenta.

mas por enquanto
ando mais pedra.

bem mais pedra.

sou todo
pedra velha.

- Vaner Micalopulos
(Atenas, janeiro de 2014)

fotos de Vaner Micalopulos;
modelo: ciganinha doida que não parava de seguir o poeta.




postado em por admin em poesia deixe um comentário

PULE OS IDIOTAS

bar

por que essa distância entre nós? este espaço cheio de idiotas que nos separa, o que é isso? por que as deusas mais perfeitas sempre nos aparecem nos lugares medíocres? e lotados? eu sinto que pode ser você. e eu tenho tanta quase certeza disso que eu vou me concentrar pra que você se materialize aqui do meu lado. não que eu seja grandes coisas. não que eu tenha poderes. não sou. não tenho. mas você tem. e é por isso que você vai fazer isso por mim. vem logo. pule os idiotas. tô te esperando no bar.

- J.Castro

postado em por admin em prosa deixe um comentário

TODO AUSÊNCIA

ausencia

TODO AUSÊNCIA

quando penso em você
sinto dores em lugares
que eu nem sabia
da existência.

quando penso em você
ouço minhas moléculas
gritarem de dor
pedindo clemência.

quando penso em você
desejo que se abram
inúmeros buracos no chão
e que todos eles me engulam
sem advertência.

quando penso em você
eu só penso que deveria
pensar em outra coisa
além de você.

pura interferência.
bela desobediência.
maldita ausência.

quando penso em você
eu fico todo ausência.

— Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário

trecho do AMOR É CRACK

amorcrack

AMOR É CRACK

(…)

TERCEIRO ATO

amor é crack
a frase é boa
e não é de araque

amor é crack
e eu quero algo
que me esburaque leia mais

postado em por admin em poesia deixe um comentário

É QUE ESTRELA ORBITA SIM

estrelas

postado em por admin em os gráficos deixe um comentário

CRESCER É ESQUECER (VÍDEO)

crescervid

Crescer é esquecer

com
Sarah Spindola

participação
Heloísa Mendes
Vitor Benini

poesia
Michel Consolação leia mais

postado em por admin em os videos deixe um comentário

CAOSFILIA

caosfilia

postado em por admin em os gráficos deixe um comentário

NÃO PRESTAR

saudade

PRESTEM ATENÇÃO NO MEU NÃO PRESTAR

ando sob garoas
na boa
num passo lerdo
de quem está querendo
pegar uma doença

não sinto
o lento encharcar
e torço pelas doenças
torço mesmo pelas destruições
eu quero algo
que me coloque no centro
das atenções

(cuidado com o que deseja
poeta)

é que não andam prestando
muita atenção
em mim

é por que não presto?

estou começando
a achar que sim

e acho que a chuva
limpará esse não prestar
eu acho só
mas sem botar muita fé nisso
(quem não deseja
não sofre)

pois é melhor mesmo
ficar só no achismo:
muito mais seguro

as certezas
criam dores novas
quando revelam
suas reais naturezas
de puros achismos

eu não me acho
nessa garoa
e também não fico doente
(sou homem
de sólida imunidade)

então volto pra casa
molhado
achando mais
do que antes:
sem solução

chovendo saudade

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top