DADA INDIRETA

dada

DADA INDIRETA

não sou dado
nunca fui
mas dou as cartas
e não as caras
pois dou de tudo
e mais um pouco:
eu dou bobeira
mas posso cobrar
por ela também:
dou bolo
dou cano
dou calote
dou capote
posso ser um canalha
mas não sou dado
(isso eu vou repetir
mais muitas vezes
nessa vida menos pouca)
às vezes não dou conta
desse recado mal dado
mas sigo dando no couro:
então eu ando
nada dado
mas às vezes só
eu acabo
dando de face
dando de frente
dando de letra
dando de ombros
dando dicas:
e tudo isso
sem ter que dar
porque a gente
é muito machodado:
pois o poeta dá a palavra
mas não se dá:
e se vocês me derem licença
eu já me vou embora
sem demora
pra dar livre curso
a esse versos
bestas
(tão bestas
que me dão no saco)
espero dar o recado
mas meio sem dar
porque eu acho
que a poesia
é assim:
ela dá pro gasto
ela dá patada
ela dá pulos
ela dá o que falar
ela dá furo
ela dá de graça
(mas cobra preços
na alma)
ela dá uma luz
às vezes
mas na maioria
das outras vezes
ela só dá uma sova mesmo
e no final dessa dada história
ela acaba que não nos dá
recado nenhum:
dou-me ao desfrute
de não ter sentido
porque eu posso
sem dar diretas
viver numa eterna
e dada indireta:
sem ser dado

- J.Castro





postado em por admin em poesia deixe um comentário

adicione comentário

www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top