indireto horror

horror

(indireto horror)

Nas pontas
esparramadas
dos seus cabelos
duplos
vejo telas brancas
transformando-se
em fadas
tontas.

A imensidão
que a palavra
não alcança
(nem você
me alcança)
está ali
só olhando
presa à moldura
dos tempos.

Você confia
como eu
confio?

Dramadrama
Darmadarma
Dramadrama
Darmadarma:
teatro budista
que eu pratico
da cama.

O carma
da cama.

O eu
imaterial
discute com
a identi-
dade pessoal
(toda cagada:
hifenizada:
infernizada)
criando choques
com o eu
normal.

Se não há
experiência direta
não há razão
para a indireta.

Não existe
um eu fixo.

Apenas
o eu lixo.

O eu
permanente
deu uma saída
mas ele disse
que já volta.

O meu ego
pode ser seu
se você tirar
o seu
da frente.

Num padrão
bem aparente
você pede perdão
e depois mente.

Eu fui
a melhor
explicação
de todas.

E você foi
o lapso
que me abriu
o olho
para o
inevitável
colapso.

Construí o tudo
sobre o nada.

E menos artigos.

Sem
ex-
periência
direta?

Então pare
(agora)
com as indiretas.

- edson farrusco





postado em por admin em poesia deixe um comentário

adicione comentário

www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top