memória percebida

Raspo na memória ali, pesada,
passo de perto, numa raspada mesmo:
não quero ser visto.

A memória se percebe
no centro de uma conspiração
para evitá-la.

Ela está certa.

Quando menos nos queremos
percebidos, mais nos fazemos
perceber.

A memória, agora percebida nela mesma
como algo independente de mim,
olha-me, agora leve.

O peso se foi.

E a memória também.

- Michel Consolação





postado em por admin em poesia deixe um comentário

adicione comentário

www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top