casos de família

família lá. família cá. existe por aí uma supervalorização da ideia de família. nem toda família é boa. essas pessoas que defendem a ultracaretização do conceito de família também tiveram suas famílias. foram elas boas ou ruins? sei lá. não farei o mesmo que os ultracaretas. não meterei o dedo na família alheia. não me importo se elas, as famílias, são boas ou ruins. ou eficientes. eu gosto de pensar numa família como algo que deveria apenas ser caracterizado como eficiente ou não. a família do pedófilo do bairro? nada eficiente. também não defenderei aqui a beleza da eficiência familiar. pois imaginem se a família do Kafka tivesse sido totalmente eficiente? não teríamos aqueles livrinhos, tão apetitosos, tão bonitos na prateleira de casa. a questão não é simples. e não serão os vlogueiros polissilábicos ou os pastores rábicos que resolverão a indecisão social. seremos nós. com as nossas famílias. dentro de nossas casas. sem deixarmos que nos digam como deveriam ser as nossas famílias. a sua família. cada um na sua. pois de família, já basta a minha.

- J.Castro




postado em por admin em prosa deixe um comentário

tá vesga

postado em por admin em prosa deixe um comentário

golpista impossível

postado em por admin em poesia deixe um comentário

PONTOFRACO

PONTOFRACO
.
esta sua
falta de
critério:
é sério?
.
sou bicho
à toa
e esse
seu jeito
de leoa
(seu naipe
de patroa)
meio que
destoa
.
amor extremo
saindo da pele
espremido
nas extremidades
do toque supremo
.
“você pegou
no meu
ponto fraco”
isso aí
eu só diria
para o meu
proctologista
.
foi nos lances
extremos
que bem
nos demos
e serão neles
que ainda
faremos
nossos bons
poemas
.
vem molhada
toda sacanagem
vem safada
nada estiagem
.
você chega
toda tirana
e eu fico
sem saber
se você tá
me tirano
ou não
.
diminui aí
essa sua margem
de lucro
que eu posso até
me interessar
.
extraindo
do estrago
algo que soe
puro
.
só heineken
é sacanagem
.
só heineken
e eu já sei
que é hora
de seguir
viagem
.
eu quero
o seu bem
então é comigo
que você
vem

- J.Castro

postado em por admin em poesia deixe um comentário

balada oitoitenta

BALADA OITOITENTA

eu só queria um beijão
tipo década de oitenta

o universo
está em expansão

e você?

já veio aí
com o freio
de não
puxado

se expande
mais

amor de louco:
faz de conta
que você saiu
da minha cabeça

para de jogar
conversa fora:
nem o lixo
aguenta

tu dura
amolece
minha
estrutura

nas altas
nos achamos
nas faltas
nos baixamos

eu só queria um beijão
tipo década de oitenta

- J.Castro

postado em por admin em poesia deixe um comentário

sendo documento

postado em por admin em prosa deixe um comentário

só sei escrever você

o negócio é assim: eu escrevo pra você, sempre. fica parecendo que é pra um arquétipo de mulher aí, mas é tudo pra você. só não se ache muito por causa disso. seja você, apenas. tome conta da minha postura quando escrevo. me peça pra relaxar o braço. me peça pra endireitar a coluna. você está longe, mas eu lhe escuto, me endireitando. meio força: meio carinho. e depois, eu ainda escrevo pra lhe tirar da minha cabeça. treco sem solução. eu só escrevo você. maldição. não é uma forma de analfabetismo isso aí? claro que é. você me analfabetiza. e tudo bem.

- J.Castro

postado em por admin em prosa deixe um comentário

sossego? ainda não.

postado em por admin em prosa deixe um comentário
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top