sol morto




postado em por admin em poesia Comentários desativados

pense fora da caixa

postado em por admin em poesia Comentários desativados

amores e dores

postado em por admin em poesia Comentários desativados

Direção funcional

Eu me direciono
para um lado só
e é assim
que eu funciono.

Prendo o olhar
num só pico-fixo
e sinto que todo mundo acha
que estou a me mostrar.

Vocês podem chamar isso de pose,
pois fico sempre olhando
para um mesmo lugar:
é esta a minha maneira
de ficar em todos os lugares
ao mesmo tempo.

É um acordo que eu tenho com a natureza.

Gosto de achar que essa bobagem é real,
mas sei que isso é apenas uma patarata que crio
para me achar melhor do que realmente sou.

Eu me direciono
para todos os lugares
e é assim
que eu (às vezes)
funciono.

- Michel Consolação

postado em por admin em poesia Comentários desativados

estranho

Como as pessoas são estranhas
em suas variedades múltiplas de estranhezas.
Como sou eu também estranho
nesta ostra de mesa de café
e cadernos abertos ao vento.

Como sou eu estranho
em querer ser mais estranho
do que o resto dessas pessoas.
Como sou estranho nesse julgamento.

Sou estranho, mas acabo sendo
o mais normal de todos os estranhos.
É um esforço ao contrário.
Uma preguiça hiperativa.
Uma contradição que não cola.
E como sou estranho,
aqui, formulando paradoxos
dignos de um moleque barbudo
vivendo num eterno jardim de infância.

Como sou estranho
contento-me com esta infantil capacidade
em ser estranho e nada mais.

Sou estranho porque não sei ser outra coisa
e se isso fosse uma opção, se eu pudesse escolher,
eu preferiria não ser estranho (a vida seria mais fácil),
mas não é assim que funciona,
esses detalhes não se mudam assim, do nada.

Não existe cura para a estranheza.

Pois não existe cura para o que não é doença:
não é este um mote que se repete bastante ultimamente?

Como sou estranho,
acho normal ser estranho.
É na minha estranheza
que me normalizo com o mundo.

Como sou estranho
sinto uma leve decepção ao concluir,
que sou apenas normal.
Dói-me. Gosto de ser estranho. Prefiro.

Como sou um eu estranho, prefiro ser estranho.

Estranho ser estranho.

Mas prefiro mesmo assim.


— Michel Consolação

postado em por admin em poesia Comentários desativados

2 poemas do Michel

postado em por admin em poesia Comentários desativados

ARTERRORISMO

Saiu a segunda edição do FAZNINE, o zine do Um Milhão, agora com um poema que tem cara de manifesto ou um manifesto com cara de poema, não sabemos ao certo, na dúvida ficamos com os dois; trata-se do poema ARTERRORISMO, de Michel Consolação.

Poema de 24 páginas sobre a arte e os artistas ou sobre a nem tão arte assim e os nem tão artistas assim. Sem aquele ranço revolucionário que falsos manifestos às vezes se propõem a terem. É um poema engraçado, leve e com uma certa paz de espírito.

Então é isso. A venda rola lá na lojinha: http://marre.lojavirtualnuvem.com.br/faznine/arterrorismo/ Frete grátis. Poesia pouca é bobagem.

postado em por admin em fixos, livraria, poesia deixe um comentário

Soneto da Autoajuda

postado em por admin em poesia deixe um comentário
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top