dano colateral

cama e paz. os roxos que se acumulam nas peles molhadas são as marcas eróticas das guerras travadas em defesa do nosso amor. cama é trincheira. bate cabeça na parede, estoura pele com pele, toma tiro de travesseiro. tudo na cama é dano colateral. vamos superar essas coisas de fogo amigo. tá na cama é pra se queimar. ofereço o peito, de muito bom grado, ao tiro bem dado. então não tira o corpo fora. cai na cama. amor é guerra. cai da cama. agora volta. aqui sou ditador, captor e invasor. não me venha com trégua, por favor.

- J.Castro




postado em por admin em prosa deixe um comentário

tipo golfinho

postado em por admin em prosa deixe um comentário

bo-ni-ta

postado em por admin em prosa deixe um comentário

bem sentido

ainda nessas de sentido? na procura pelo sentido eu já fui e voltei várias vezes. em vários sentidos. o bastante para perceber que o sentido já era. e o sem sentido, isso também: é passado. não ter sentido nenhum é um sentido. se a mente se posiciona, é sentido. deve-se deixar a mente um pouco fora do processo. explodir com as sensações num vetor sem sentido. ser apenas mudança mecânica e escolher uma direção. para isso, é preciso que a mente esteja em linha com as sensações. encontrar o sentido na organização dos sensores. superar o sem sentido. ser bem sentido.

- J.Castro

postado em por admin em prosa deixe um comentário

fase ruim

FASE RUIM (PARTITA #31 AGITATO CON AFFETTO)

Você é minha fase ruim.

Não. Você não me conheceu numa fase ruim.

Você é a fase ruim.

Você é o tipo de pessoa que faz as coisas desandarem, que provoca a fúria das coisas. Você é o tipo de pessoa que descoisifica qualquer coisa. Alguém assim não pode ser coisa boa.

Você é minha fase ruim.

A respiração compassada soltando jatos de feromônios safados, provocando um transe erotomaníaco, loucuras que rodeiam nossas cabeças entre os intervalos dos gozos arrancados com facilidade tântrica, os gemidos mortos no travesseiro, os olhares embaçados, o desfoque do amor colado, aquele campo de consciência reduzido ao espaço não existente entre os_rostos_grudados_na_cola_feromônica dos tesões perdidos entre os lençóis.

A vida sai de foco e então você percebe que foto bonita mesmo é aquela borriscada, porque tudo nessa vida é riscado, ou desfocado, ou manchado, ou cheio de ruído. Não existe informação pura. Não existem mensagens perfeitas, sem ruídos e interferências.

O amor não é mensagem. É ruído puro.

- Cato Ribeiro

postado em por admin em prosa deixe um comentário

sou bolha

bolhas

Olha o sangue: nervoso. Olha aqui, através da minha pele, carne transparente, veja o sangue, fazendo bolhas perigosas, criando vácuos perigosos; estariam as minhas doenças contidas nessas bolhas? Sinto certa atração por bolhas. Estranho, eu sei. Agora é tarde para voltar atrás na declaração. Gosto muito de uma declaração que não volte atrás nela mesma. Pois uma declaração que dá a volta nela mesma é uma reflexão. E eu não sou muito de reflexões. E não sei qual o motivo para termos começado a falar sobre declarações e reflexões se começamos lá com um estrondoso tema hemorrágico. Tenho um problema enorme para manter a linha do pensamento desse jeito: em linha. É defeito. Mas já foi. Não tem volta. O sangue é nervoso. Mas não a declaração.

- Vaner Micalopulos
ilustração de Thiago Micalopulos

postado em por admin em prosa deixe um comentário

não fuça

você fuça. e perde o seu tempo. está aí uma profunda questão da modernidade: o fuça-fuça de perfis em redes sociais. coisa que já merece tratados filosóficos. sobre os tempos perdidos fuçando perfis de amigos nem tão amigos assim: eles (os tempos) não voltam. é tempo perdido mesmo: você nunca mais o acha. estamos preparados para este trato dozinfernos?
:
eu e minhas contradições: adoro-as. nem sempre elas estão erradas. difícil entender isso, não? eu tenho muito mais tempo de contradição do que você. sou experiente nisso. você está entrando agora e quer saber mais do que eu? pode ser. eu lhe vejo e até enxergo essa sua contradição embrionária, ganhando espaço nas entranhas desse discurso batido. você me chama de contraditório. elogio puro. não tenha inveja. um dia você chega lá. mas antes: pare de fuçar.

- J.Castro

postado em por admin em prosa deixe um comentário

analogias mitológicas

superemos: as mesmas analogias, as frases feitas, as discussões inúteis, os poemas ruins. não tratar a poesia como uma compilação banal de frases prontas e tiradas tontas com uma única missão em mente: conseguir curtidas e compartilhamentos. menos analogias, mais mitologias, por favor.

- J.Castro

postado em por admin em Uncategorized deixe um comentário
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top