FELICIDADE QUÂNTICA

felicidade

POR UMA FILOSOFIA DA FELICIDADE QUÂNTICA

eu acho assim:
em todo lugar
existe uma possibilidade
mesmo que modesta
de sermos superiores
naquilo que nunca achamos
que pudéssemos ser

o todo lugar abriga
uma possibilidade dourada
de encontrarmos um desvio
meio que inesperado
e que nos levará aos lugares

porque a gente pode tudo
e as multidimensões quânticas
que se desdobram
diante e adiante do tudo
mostram-nos o quanto somos idiotas
numa certa medida
e em todas as medidas
possíveis
por não tentarmos
o tudo

somos idiotas
porque não aproveitamos
nossas possibilidades
possíveis

então somos possibilidades
redundantes
e sempre no meio delas
encontra-se uma
improvável
mas possível
possibilidade de sermos
felizes

a felicidade possível

porque felicidade
redundante
é uma coisa boa

- Vaner Micalopulos




postado em por admin em poesia deixe um comentário

SEMI(DEUSES)ÓTICOS

planetaria

SEMI(DEUSES)ÓTICOS

sei o que significa
não ter nada pra significar.

sou de uma insignificância planetária.

é que eu tanto me matei pra significar
que acabei indo pelo caminho contrário.

encho a cara com semideuses
que ficam de cara com a quantidade de coisa
que enfio cara abaixo antes de começar
a significar alguma outra coisa.

são seres que significam mais do que se destroem.

eu sempre fui a favor da destruição.

e sempre serei.

não faço a menor ideia
do que me espera
depois do símbolo.

eu faço de um tudo.

e é por isso
que eu realmente não sei
o que me espera.

na verdade
eu duvido que tenha
alguma coisa me esperando.

coisas são coisas muito impacientes.

não significo nada.

poupem suas semióticas.

porfa.

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário

CABELOS DO CAOS

cabelocaos

CABELOS DO CAOS

cabelos leves
que o vento nem se esforça
em levar.
levar os leves cabelos:
lavá-los?
esses cabelos
tão limpos
e que não levam nada
da pesada e suja
podridão do mundo.
estão lavados,
estão passados,
bastando um leve menear
da cabeça linda
para que os vejamos
bailando num movimento
de fractal.
cabelos do caos,
leves, lavados, levados,
num torvelinho de xampu,
condicionados, predeterminados,
soltos na imensidão do nada,
frescos, caóticos, levados,
cabelos que levam
e não são levados.

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário

ZIGUE/ZAGUE

zigzag

ZIGUE/ZAGUE

sobre os ombros
dois ladrõezinhos
olhos malandros
num salgado
zigue-zague
passeando pelo bar:
zigue
zague.

sorrisos, fumaça
as batidas dos copos
nas mesas
(insuportável)
e no meio
os dois olhos
malandros.

zigue
zague
perdidos, vazios
entre as mesas sujas
as risadas exageradas.

a noite entorpecida
e as risadas
exageradas
(insuportável).

dois olhos
ziguezagueando
o meu ser.

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário

PONTOFINAL

pontofinal

Eu sei que ficaram coisas a serem ditas, e você sabe também, não deixemos as vírgulas estragarem a surpresa, não deixemos um sinal tão ínfimo nos separar assim, tão brevemente, e lembremos que existem coisas a serem ditas, pois sempre existirá alguma coisa que não foi dita, já que a linguagem está aí fundamentada no seu próprio fracasso, louco isso, essa contradição da linguagem, sua condição de fracasso, ela está aí para fracassar mesmo, e nós fracassamos junto, com todas as coisas que nunca serão ditas, coisas não ditas e que são melhores assim, apenas não ditas, mas ainda assim cheias de vírgulas, atazanando-nos, promovendo esquecimentos, distraindo-nos para o fato de que sempre haverá em tudo e em todas as frases e até mesmo num fluxo maldito como este (ou num amor nem tão cheio de vírgulas) um denso, chato e nem tão definitivo ponto final.

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em prosa deixe um comentário

DISSEMOS

dissemos

DISSEMOS

“tô botando
os bofes pra fora”
disse a bicha desenganada
cansada de ser ludibriada.

“a gente não precisa
viver duas vezes”
disse o ateu chato
ao budista pacato.

“saiu-se melhor
sem a oferenda”
disse o pai de santo honesto
ao desesperado congesto.

“pode deixar
que eu seguro
as pontas procê”
disse o maconheiro guloso
ao traficante misericordioso.

“você tem cara
de que não mata
nem uma tosca”
disse o psicopata sanguinário
ao comparsa desnecessário.

“eu não gosto
mais de você”
foi fácil
viu?

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário

VEM KAFKA COMIGO

kafka

postado em por admin em os gráficos deixe um comentário

tantofaz

tantofaz

postado em por admin em os gráficos deixe um comentário
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top