chilique

CHILIQUE

leio o desespero
nas suas mal traçadas
linhas de pensamento
rábico.

está toda nervosa

isso eu não aguento
aqui.

a palavra sai
toda folgada
criando gráficos
de unha bem cuidada
contra o quadro negro
de suas agonias
pueris.

não sei como
tem pique.

leio o desespero
e gostaria de ver
alguma razão
nesse ruído
(até acharia chique)
mas só vejo
chilique.

- Vaner Micalopulos




postado em por admin em poesia deixe um comentário

controle?

postado em por admin em poesia deixe um comentário

Barganha na Blooks

Galera, está aí o nosso primeiro ponto de venda físico do Barganha, a Livraria Blooks. Pra quem gosta de comprar livro à moda antiga. Nada como um passeio à livraria, não é mesmo? E a Blooks é uma bela livraria, aliás. A loja de São Paulo, que fica no Shopping Frei Caneca, é um convite à leitura, com um espaço super bonito e bem iluminado, e uma diversidade de livros que não encontramos com tanta facilidade em outros lugares. E, além disso, há uma loja no Rio de Janeiro para os cariocas não ficarem sem o Barganha.

Os endereços das lojas:

Blooks Livraria – Rio de Janeiro
Praia de Botafogo, 316 – Rio de Janeiro, Brasil | Rio de Janeiro – CEP 22250-040
Telefone: (21) 2237-7974
Horário de funcionamento:
Segunda a sexta: 12h30 às 22h
Sábados: 12h30 à meia-noite
Domingo : 14h à 22h

Blooks Livraria – São Paulo
Shopping Frei Caneca — Rua Frei Caneca, nº 569 – 3º Piso
Consolação
Telefone: (11) 3259-2291
Horario de funcionamento
Segunda a sexta: 12 às 22hs
Sábados: 12h às 22h
Domingos: 14 às 22hs

É isso. Se você estiver zanzando pelas proximidades de algumas das duas lojas, dê uma passada lá e compre o seu Barganha.

postado em por admin em poesia deixe um comentário

sou bolha

bolhas

Olha o sangue: nervoso. Olha aqui, através da minha pele, carne transparente, veja o sangue, fazendo bolhas perigosas, criando vácuos perigosos; estariam as minhas doenças contidas nessas bolhas? Sinto certa atração por bolhas. Estranho, eu sei. Agora é tarde para voltar atrás na declaração. Gosto muito de uma declaração que não volte atrás nela mesma. Pois uma declaração que dá a volta nela mesma é uma reflexão. E eu não sou muito de reflexões. E não sei qual o motivo para termos começado a falar sobre declarações e reflexões se começamos lá com um estrondoso tema hemorrágico. Tenho um problema enorme para manter a linha do pensamento desse jeito: em linha. É defeito. Mas já foi. Não tem volta. O sangue é nervoso. Mas não a declaração.

- Vaner Micalopulos
ilustração de Thiago Micalopulos

postado em por admin em prosa deixe um comentário

descontrole repetido

postado em por admin em poesia deixe um comentário

não consumado

momento não consumado

Eu fico de terceira pessoa, meio de butuca nas coisas alheias, um testemunho dos momentos não consumados. O olhar não consumado. Há uma troca de olhar não consumado em cada esquina. Isso cria um problema, pois é preciso entrar nas curvas das ruas com o olho esperto, para não cair numa cruzada de olhar que não se quer olhar. As ruas já foram mais tranquilas. Uma espiada frouxa, flutuando pelas mesas da cafeteria que serve o pior café da cidade. Cá estou. Cá sou. Testemunha dos momentos não consumados.

- Vaner Micalopulos
*ilustração de Thiago Micalopulos

postado em por admin em prosa deixe um comentário

o idiota silencioso

o idiota

Não é homem de muita conversa. Difícil crer que, há algum tempo, já fora um rapaz falante. Agora, responde aos chamados de prosa apenas com um menear preguiçoso da cabeça. Existe falta de vontade ali. E uma certa pose errada. Em bares mete-se a transes de hiperfoco num mesmo ponto, às vezes por horas, só para evitar conversas que, para ele, são sempre desnecessárias. Há nisso tudo um pouco de exibicionismo, claro. Já comeu várias mulheres por conta disso. Elas gostam de idiotas silenciosos. Bem sabemos: em boca fechada não entra mosca. E é assim que o idiota silencioso se passa por gênio estiloso: evitando as moscas.

- Vaner Micalopulos
*ilustração de Thiago Micalopulos

postado em por admin em prosa deixe um comentário

VIROU RAVE

RAVE

VIROU RAVE

dentro da minha cabeça:
um narrador que não para (e dos ruins, tipo Galvão Bueno)
um eu que odeia ser eu
um mundo que desiste logo
um compartimento que só observa
um pai que não está lá
um guru que só toma na rima
um estouro de puro nada
um acadêmico frustrado
um vagabundo orgulhoso
e, no meio de tudo isso, um pouco dum simples eu

tem pouco espaço pra mim
na minha própria cabeça

ninguém mandou
fazer festa grande
em salão pequeno

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top