PNEUMOSOFIA

pneumosofia

Novo fanzine do Um Milhão, feito com a Marrê Editora, estrelando o poema de Vaner Micalopulos, PNEUMOSOFIA.

pneumosofia

Lindamente encadernado, com um papel daqueles e costurado manualmente, com a alma e o coração destes daqui, pra vocês daí. Poema de 32 páginas, com versos que tratam do esquecimento, das repetições, das incertezas, de alguns mistérios e de coisa nenhuma. Destino: lugar nenhum.

pneumosofia

pneumosofia

pneumosofia

Já está à venda, lá na lojinha da Marrê: http://marre.nuvemshop.com.br/

Poesia pouca é bobagem.




postado em por admin em fixos, poesia deixe um comentário

me esqueço nos cabelos

cabelos

Mergulhado nos cabelos de esquecimento. Ondas que me arremessam longe e dentro. Correntezas que me afundam com potência. Esteiras de turbulências que me rodopiam como um pião bêbado. Tudo se transforma numa perspectiva autista de máximo conforto, um desejo constante de que tudo se acabe aqui, agora, no meio dos cabelos. Viro feto e faço da cabeleira a minha placenta. Eu sei: imagem nojenta. Mas não há nada de asqueroso nessa proximidade essencial, nessa volta aos estados mais internos da linguagem dos poros. Não há nada de nojento nessa sensação de afogamento inevitável. Estou perdido (e me encontro) no louco vendaval dos seus cabelos de esquecimento.

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em prosa deixe um comentário

TIRADOR

tirador

TIRADOR

é preciso
extrair algo dessa dor.

se não tirarmos nada dali
então a dor (ela: ali) se transforma
num fetiche inútil (aqui).

não tenho saco para encarar
baboseiras sadomasoquistas
a esta altura do campeonato.

isso exigiria um guarda-roupa
inteiramente renovado.

tenho dom para as dores
mas não para gostar delas.

babaquice sadomasô?

talvez
mas sem isso
minha poesia
não teria valor.

é preciso
que o poema doa.

pois é com dor
que se tira a dor
dos outros.

e é doendo
que o poema se doa.

(Vaner Micalopulos)

postado em por admin em poesia deixe um comentário

espextros

espextros

postado em por admin em prosa deixe um comentário

Memória plasticular

memoria

postado em por admin em prosa deixe um comentário

LHEVITO

bocejo

LHEVITO

no programa de índio antenado
entro cabisbaixo
esperando pelo tédio desenfreado
e fico perdido na oca
(bem oco, bem óbvio)
espreguiçando repetições

solto indiretas em formatos
de bocejos abissais

e caio nas vertigens
dos meus próprios gritos mudos

pois o que é
um bocejo
além de um grito
com preguiça
de agito?

nos precipícios de hálitos quentes
caio em mim, quebro o hábito
já me vou, sem atrito:
da próxima vez
eu só lhe evito

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário

jogo baixo

arbitra

postado em por admin em poesia deixe um comentário

#aletradaspessoas

tantofaz

recomendaria

passa

nada

leia mais

postado em por admin em os gráficos, poesia deixe um comentário
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top