adiando

preguica

NÃO FUI ONTEM

não fui ontem
mas hoje eu vou
prometo:
e só vou hoje
pra não ter que ir
amanhã.

porque amanhã
eu vou ter preguiça.

e eu procrastino tudo
até a preguiça
que eu preferiria ter hoje
do que amanhã.

a minha preguiça.

preguiça adiada
é preguiça perdida.

cancelo tudo hoje
só pra não ter
que cancelar amanhã.

adio-me agora
antes que me adiem
depois da hora.

adianto essa protelação
tão boba
tão inútil
tão anteontem
tão sem solução.

quando me falam
que não adianta
adiar as coisas
eu adianto um riso
e adio a argumentação:
tamanha ingenuidade
aquece-me o coração.

não vou hoje
só para não ter
que não ir
amanhã.

- Vaner Micalopulos




postado em por admin em poesia deixe um comentário

PENDURADOS

PÁLIDO PONTO AZUL(O planeta Terra fotografado pela Voyager 1, em 14 de fevereiro de 1990. Distância da sonda espacial no momento dessa foto: 6,4 bilhões de quilômetros.)

PENDURADOS NO UNIVERSO

Estamos pendurados no universo e ainda nos preocupamos com impedimentos em jogos de futebol. Estamos pendurados no universo, mas gastamos tempo e dinheiro realizando folhetins eletrônicos cuja única função é a de nos ajudar a esquecer que estamos pendurados no universo. Estamos pendurados no universo, presos a uns fios invisíveis e misteriosos, e não adianta dar um nome de lei física para os tais fios, pois o deslumbramento diante de toda essa invisibilidade não some; eu fico olhando, eu fico pensando, eu abro um livro de Física, outro de Filosofia, mas os fios não aparecem. Então começo um poema, mas me impressiona também esta minha capacidade de querer começar um poema mesmo sabendo que estamos todos fragilmente pendurados no universo; então eu não escrevo nada. Estamos pendurados no universo, sobrevivendo cegamente a um terreno árido, pois se imagine aí num deserto do Saara, sem roupas, chapéu, sombrinha, água, equipamentos, sem nada: quanto tempo você sobreviveria? Pois bem, assim é o nosso planetinha pendurado no universo, sobrevivendo às explosões solares, campos magnéticos, corpos celestes e à própria ondulação sutil do universo. Estamos pendurados no universo e ainda maltratamos o próximo, lucramos com o trabalho semi-escravo, sacaneamos amigos, chiframos nossos amores, batemos em seres indefesos, somos babacas apesar de estarmos pendurados no universo. Tantas coisas com as quais deveríamos nos preocupar, mas ligamos a televisão e esquecemos. Estamos pendurados e esquecemos. É como dirigir de olhos vendados: uma receita para o desastre. Estamos pendurados no universo e ainda paramos na frente da televisão para gastar minutos inteiros de nossas vidas querendo saber se o tronco do atacante estava realmente alguns centímetros à frente do corpo do zagueiro ou não. Estranho isso. Eu queria descer, porque essa noção torta dá um enjoo louco. Eu queria descer, mas parte do problema em não se preocupar com o fato de que estamos pendurados no universo, é que ficamos sem saber como descer dessa zona também. Então me impeço de pensar sobre isso. E torço pro juiz marcar impedimento.

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em prosa deixe um comentário

DORMIR

dormir

Agora está na moda dizer coisas como “eu odeio dormir”. Imagino que isso venha de uma onda meio falsinha de pessoas excêntricas e supostamente bem sucedidas que apregoam o superfuncionamento do sistema trabalhista e que gostam de dizer mais coisas vãs e impensadas como “eu vou dormir só quando morrer”. Imbecis. Com o perdão do baixo calão, que nem é muito do meu feitio, aliás. Mas é que essa conversa me dá um sono danado. E eu sei que minha mãe deve estar lendo isso com um sorrisinho na boca e um “vagabundo” escapando pelos dentes. Eu não sou vagabundo, mãe. Eu sou sonolento. Se isso é vagabundagem, então eu quero que me mostrem onde é que está essa definição no dicionário. leia mais

postado em por admin em prosa deixe um comentário

defeituoso

defeito

VAI COM DEFEITO MESMO

esta minha natureza
de viver meio fora
deste vetor bambo
que chamam certeza

fico incerto
porque não sei ser
doutro jeito

esta minha certa
incerteza
que eu prefiro assim mesmo
pois acho que está tarde demais
pra inventar outra maneira
de viver

este meu defeito de nascença
que eu disfarço
e finjo que é efeito

pena que o universo
não aceita trocas

vai com defeito mesmo

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário

cadernos em crise

caderno

grito

sei

leia mais

postado em por admin em os gráficos deixe um comentário

mimimi

mimimi
MIMIMI

meu repertório de tristezas
está chegando ao fim
e já não consigo mais criar
assim do nada
pensamentos melancólicos
cunhados numa etimologia antiga
sobre o mais puro sangue negro

ninguém mais tem saco
pra aguentar
ou entender
a tristeza alheia

mimimi

é que se o melancólico
não for muito criativo
na sua falta de alegria
fica difícil mesmo
prender a atenção dos outros

pois minha tristeza
não merece atenção
nem minha
nem de ninguém
(eu não consigo a atenção
nem de quem eu queria muito
que prestasse atenção em mim)

mimimi

e na minha falta de criatividade
eu encontro a felicidade

com uma lágrima
meio feliz (só meio, ok?)
rolando pelo meu rosto
tão infeliz

(as rimas pobres
apenas comprovam esta minha
falta de criatividade)

então não prestem atenção
nesta lágrima motriz

daqui a pouco ela rola
(como eu) embora

pela ponta do meu nariz

levando o mimimi
pra fora de mim

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário

AFTERBUK

buk

AFTERBUK

eu não tenho um pássaro azul
e não sei o que é ser poeta

passarazul

quais pássaros vão para o sul?
por que não fui ser atleta?

todo taful

a rima pode parecer velha
e, muitas vezes, até mesmo gasta
mas tem quem aconselha
tem muita gente que é entusiasta

métrica não dá
métrica não sei
métrica eu acho que é retrocesso
é esmero em excesso

o que é preciso para ser poeta?

ir para o sul?

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em os gráficos, poesia deixe um comentário

DIA, É O SEGUINTE

diaseguinte

DIA, É O SEGUINTE

o dia seguinte
poderá ser
o dia da ressaca
(e eu acho até
que todo dia seguinte
deveria se chamar
a partir de agora
de dia da ressaca).

o dia seguinte
pode ser
que nem chegue
a existir.

o dia seguinte
poderá ser (vai saber?)
idêntico
ao dia anterior
(tremendo desperdício
de dia seguinte).

o dia seguinte
pode ter sido
ontem
(e você
nem percebeu).

o dia seguinte
poderá ser, pudera
aquilo que ele
não foi
(ainda).

o dia seguinte
(pode ser?)
eu prefiro deixar
pra amanhã.

o dia seguinte
poderia ser.

mas só amanhã
(por favor).

- Vaner Micalopulos

postado em por admin em poesia deixe um comentário
www.scriptsell.netBest Premium Wordpress Theme/Best Premium Wordpress Theme/ Top